Santo Isidoro Camponês é celebrado na região da Campanha do RS

27 de maio de 2019

Comemoração do padroeiro de rede de comunidades coincide com festividades dos 30 nos da Reforma Agrária na região

 

No domingo, 19 de maio, a Rede de Comunidades localizadas entre os municípios de Aceguá, Candiota e Hulha Ngera realizaram a 11ª edição da festa de seu padroeiro, Santo Isidoro Camponês. A celebração religiosa coincide com as comemorações dos 30 anos de Organização, Lutas e Conquista da Reforma Agrária na região, colocando em foco, lado a lado, a reflexão espiritual e a pauta social. O Padroeiro da Rede é lembrado com festa todos os anos, no mês de maio, pela ocasião da data comemorativa do Santo, reservada pela Igreja no dia 15 de Maio. A festa é itinerante, acontecendo sempre em uma comunidade diferente, que reúna condições de organicidade e estrutura adequada para receber os devotos para as atividades.

 

Frei Wilson Zanatta OFMCap, explica que em 2019, além da celebração do Santo Padroeiro, ainda há a referência das três décadas do início do processo de Reforma Agrária no Sul do Pampa Gaúcho: “Já são 30 anos que aqui chegaram as primeiras famílias, dando origem às  comunidades e aos 65 assentamentos, com quase duas mil famílias pertencentes ao bloco de 50 mil hectares de terra compartilhados, que hoje estão em festa. Para o Franciscano, a Organização das famílias através do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), foi imprescindível para que hoje tenham condições de  viver com dignidade. “A luta através dos  acampamentos, marchas e ocupações, se fez presente às famílias, conseguir obter os  direitos a um pedaço de terra, casa, luz, saúde, educação para os filhos, comida e uma convivência com a liberdade para desfrutar do trabalho, sem deixar para outros boa parte da parcela produzida.

 

Durante o ano todo, a Rede de Comunidades e o MST se programaram para festejar esta data tão importantes em todas as Comunidades, Assentamentos,  Escolas, Seminários e Rádio. “Além de festejar as conquistas que são fruto das lutas, procuram resgatar a história fazendo memoria de tudo que aconteceu para que a juventude conheça melhor esta caminhada. Pois, saberemos melhor para ode ir se conhecermos de onde viemos”, emenda Zanatta.

 

 

Atividades

 

A festividade e a celebração aconteceram na comunidade de São Roque, que recebeu os visitantes para celebrar com procissão e assim recordar conjuntamente a caminhada do povo de Deus à “Terra Prometida” e a caminhada das famílias em busca da “Terra onde corre Leite e Mel”.

 

Esteve celebrando nas festividades, o Bispo Diocesano D. Frei Cleonir Paulo Dalbosco, recém completados seis meses de seu mandato junto à Diocese de Bagé, da qual a Rede faz parte. Essa foi a primeira visita do novo Bispo à Rede e aos Assentamentos. Antes da bênção do Bispo, a assentada Arlete Bulcão Pinto, liderança das comunidades e do movimento, agradeceu o apoio de muitas pessoas e de modo particular da igreja Diocesana, presente entre as famílias desde que ali chegaram os sem-terra. Uma cesta repleta de alimentos produzidos no sistema de agroecologia – sem utilizar venenos agrícolas ou insumos artificiais – foi entregue ao a Dom Cleonir,  simbolizando esse elo de compromisso social desenvolvido entre famílias e Igreja ao longo destes 30 anos.

 

Dom Cleonir celebrou com alegria, motivando as pessoas e as comunidades pela “construção desta bela história que deve ser sempre lembrada com muito carinho. Uma história sofrida, guiados pela fé em Deus, a exemplo de Santo Isidoro, que em sua vida manteve a fé e uma vida íntegra, baseada na solidariedade e na justiça”.  Destacando o amor que as pessoas devem ter de uma pelo outra, como destacou o Evangelho dia através das palavras de Jesus: ‘Amem-se uns aos outros como eu vos amei’. O amor pode ajudar a construir um mundo diferente, sem ódios”.

 

Após a celebração animada com muitos cantos, foi realizada a confraternização festiva onde a mesa farta contou com o tradicional churrasco, emendando com a programação da tarde onde todos divertiram-se com jogos populares, futebol feminino e masculino, bochas e dança. “O dia festivo foi merecedor de gente que sempre está olhando para horizonte em busca de dias melhores e sonhos para todas e todos, tendo em mente o desafio que foi lançado por Jesus e neste dia de festa relembrado por Dom Cleonir, que nos diz que se em nossa vida salvarmos uma pessoa, já estaremos fazendo a nossa parte”, concluiu Frei Zanatta.