Ciência e saberes populares enfrentam o desafio de estabelecer conexões

29 de maio de 2019

Evento que debate Plantas Medicinais e Fitoterápicos reúne representações de movimentos sociais e segmentos acadêmicos na Embrapa Clima Temperado

 

O I Encontro Intermunicipal de Implantação de Programas de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, realizado no CECAF-EEC da Embrapa Clima Temperado (Pelotas-RS) iniciou na manhã desta terça-feira, 28/05, demarcando posicionamentos de representantes dos meios acadêmicos e de pesquisa, assim como segmentos camponeses organizados através da militância social. O aparente distanciamento que se pode pressupor entre as instâncias da oficialidade e as matrizes populares foi sendo desconstruído a cada manifestação, alinhavados à luz da bandeira da Agroecologia, do desafio da sustentabilidade e da viabilização de uma saúde integral aos povos. A organização do evento conta ainda com a Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Instituto Cultural Padre Josimo (ICPJ) e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

 

O coordenador do evento e pesquisador da Embrapa, Gilberto Bevilácqua, deu abertura ao evento, saudando as delegações presentes e exaltando a interpretação do tema em pauta como um ele comum que efetiva a interação de diferentes públicos e diferentes práticas abrigados sob o mesmo evento. “Esse evento é um sonho já de algum tempo, que conseguimos realizar neste momento em que as pessoas estão procurando retomar a questão do conhecimento tradicional, do resgate, da valorização, da riqueza que cada um tem a sua volta”, explicou. Para Beviláqua é preciso que tenhamos em mente que a temática das Ervas Medicinais passou por um longo processo de abandono, sendo retomado com mais força recentemente e agora, de formam mais marcante, vemos ressurgindo. Que essa discussão vá para os municípios e que nessas instâncias esse programa com as plantas e os fitoterápicos possa ser efetivado de fato.

 

Frei Sérgio Antônio Görgen, Coordenador do Instituto Cultural Padre Josimo e dirigente do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) relembrou a série de encontros e cursos realizados pelo interior do RS nos últimos dois anos e destacou de forma especial o compartilhamento de saberes, onde os técnicos do ICPJ levavam conceitos básicos, propostas de conversa e experiências práticas, recebendo como contrapartida o relato a respeito de ervas e práticas tradicionais preservados ao longo do tempo e passados de geração em geração, pelos quatro cantos do estado. “Todo esse processo de construção coletivo, contando com a participação de parceiros como a Embrapa e a UFPel, expressam que aqui começa uma jornada de três dias em que permaneceremos juntos, com muitos espaços para debate, muito aprendizado e muita troca”. Görgen enalteceu os saberes individuais, mas alertou: só são válidos quando compartilhados, do contrário, se guardados, perdem-se no tempo e no esquecimento: “É simples, todos nós sabemos muitas coisas e são coisa diferentes, que se compartilhadas se somam e se procede a preservação através da partilha”, arrematou.          

 

Pillon, Chefe Geral da Embrapa Clima Temperado, fez questão de agradecer aos movimentos sociais pela provocação apresentada há cerca de dois anos e que culminou no evento realizado no dia atual. “Nos orgulha ter uma instituição como a nossa, abrindo as portas para os agricultores”, afirmou. “Esse é um símbolo, o resgate do conhecimento tradicional desenvolvido, construído, validado e perpetuado pelos agricultores ao longo de todas as gerações e quando a gente entrelaça esse conhecimento com a pesquisa acadêmica de caráter científico, temos certeza de que não há um maior nem um menor nessa relação, mas sim forças equivalentes que precisam estar unidas, entrelaçadas”, acrescentou. Para Pillon, há duas práticas distintas em curso, que delimitam com clareza diferentes padrões de convivência social: um voltado a construir saúde; enquanto outro baseia-se em não fazem outra coisa que não construir doenças.

 

Auditor Fiscal Agropecuário da Divisão de Política, Produção e Desenvolvimento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, José Cleber Dias de Souza, frizou a importância dos esforços em preservação dos saberes tradicionais ao contrapor a ideia do trabalho que se realiza ali em uma relação de cooperação, frente ao que já se perdeu ao longo do tempo sem que se tivesse produzido condições ideais para que fosse preservado. Relembrou a nocividade dos venenos e adubos químicos e as alternativas já desenvolvidas pela agroecologia. “Acho que a Fitoterapia pode servir como um elemento de aproximação de uma pessoa com a outra, do campo com a cidade” -, expressou. “O elemento que nos move é essa expectativa de contribuir nesse processo, avançar é necessário, nem tanto como Ministério da Agricultura, mas sim através de algumas pessoas que trabalham lá e seguem atuando com profissionalismo e envolvimento em situações como essa”. A respeito das dificuldades e empecilhos que as políticas que o Governo Federal vem implementando frente às instituições de educação, aos núcleos de pesquisa e, em muito maior grau, aos movimentos sociais organizados, Souza reafirmou o desejo de seguir auxiliando até onde vai o seu alcance, tanto ao evento quanto as pautas das organizações ali representadas, já deixando alinhavada nova parceria para repetir o momento de converds.

 

No mesmo sentido, Felipe Herrmann, Coordenador de Extensão e DesenvolvimentoSocial da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), mostrou-se satisfeito ao compartilhar o espaço de exposição entre a academia e o campesinato. Em seu breve relato relembrou os trabalhos de pesquisa e os resultados práticos já alcançados pela equipe local e enalteceu a proximidade com que se construiu a relação de respeito e reconhecimento entre a instância de pesquisa formal da instituição e a sabedoria popular acumulada pelas comunidades abrangidas pelas ações da casa. Participaram ainda da mesa de abertura do evento o representante da Emater/Ascar, Eduardo Souto Mayor, e a representante da Secretaria de Saúde do Estado do RS, Silvia Czermainski.

 

Acompanhe mais informações sobre o I Encontro Intermunicipal de Implantação de Programas de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no site www.padrejosimo.com.br e na fanpage www.facebook.com/redejosimo.