Camaquã: população urbana tem nova alternativa de acesso à produção da agricultura familiar e camponesa

12 de março de 2019

Está em funcionamento desde o final de fevereiro o Armazém da Colônia, em Camaquã, região Centro-Sul do RS. O empreendimento que se propõe a estabelecer um novo elo entre o produtor familiar e camponês com o público consumidor urbano, está instalado junto a nova sede do Sindicato Dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Rua Manoel da Silva Pacheco, 717, centro).

Iniciativa da Cooperativa dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Coopertraf) e do Sindicato Dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (SintrafSul), a unidade de comercialização tem como objetivo levar até o consumidor final a produção de agricultores associados e também de cooperativas parceiras.

Atualmente 54 famílias disponibilizam alimentos in natura e produtos agorindustrializados. No local é possível encontrar grande diversidade de legumes, frutas, sucos, pães, queijos, biscoitos e cereais. Conforme destacam os organizadores, o empreendimento se propõe a dar acesso à população camaquense a alimentos regionais e assim incentivar hábitos mais saudáveis.

O Instituto Cultural Padre Josimo marcou presença na inauguração, realizada no dia 25 de fevereiro, reafirmando a parceria com o empreendimento e em especial com o campesinato de Camaquã e região. “Acreditamos na agricultura familiar e camponesa, principalmente na produção de alimentos saudáveis de qualidade. Estes espaços devem ser apoiados e valorizados, pois representam a integração do campo com a cidade, do agricultor com o consumidor”, afirma o coordenador técnico do Instituto, Darlan Gutierres.

Desde o mês de outubro de 2018 o ICPJ está com atuação reforçada na região, executando uma chamada pública de Assistência Técnica e Extensão Rural, beneficiando a 960 famílias nos municípios de Cristal, Camaquã, Chuvisca, Dom Feliciano, Cerro Grande do Sul, São Jeronimo, General Câmara e Barão do Triunfo. “Esse projeto além de realizar ações de atendimento direto as famílias, visa proporcionar um processo de formação e capacitação de agricultores e proporcionar melhor qualidade de vida no campo”, explicou Eliane Krupinski, também integrante dos quadros técnicos do Instituto.