João Batista Scalabrini, Apóstolo dos Migrantes

1 de junho de 2018
Autor
Frei Wilson Zanatta

No dia 1 de junho se celebra o fundador da congregação dos Scalabrnianos

Confira a síntese biográfica de João Batista Scalabrini, compilada pelo Frei Wilson Zanatta

 

Scalabrini nasceu na Itália, na cidade de Como, em 8 de julho  1839. Aos 18 anos de idade ingressou no seminário Diocesano para ser Sacerdote. Ao conhecer os Padres missionários que foram trabalhar na Índia e na África, muito desejou um dia ser também missionário. Jovem exemplar nos estudos e na fé foi um homem de olhar atento, coração cheio de compaixão e caridade. Foi ordenado Padre e depois escolhido  Bispo em 16 de dezembro de 1875 na cidade de Piacenza sob grande admiração da população pelas suas virtudes. Por motivos pessoais não aceitou, mais tarde, por duas vezes, o pedido do Vaticano para ser Cardeal.

Amou sempre seu rebanho para além de sua Diocese e de seu País.

 Ao ver seu povo migrar, partindo para a América, numa situação de pobreza e abandono, marcou para sempre seu coração.  Ainda mais, quando, Scalabrini recebeu uma carta de um emigrante da América do Sul, suplicando que um padre fosse para aquela região, porque, como dizia, “aqui se vive e se morre como os animais”. O Bispo que tanto desejou ser missionário quis que Sacerdotes, Irmãs, Irmãos e Leigos, acompanhassem o destino dos migrantes. Por isto, fundou a Congregação dos Missionários de São Carlos Borromeu, hoje conhecidos como Carlistas ou Scalabrinianos.

O Beato João Batista Scalabrini é conhecido como o “Pai dos Migrantes, Apóstolo da Catequese e da Reconciliação”. Fez da casa Episcopal salas para catequese. Administrava a catequese aos jovens e escreveu material sobre o tema. Scalabrini, como excelente observador da realidade de sua época, fundou um Instituto para surdos-mudos e uma organização assistencial para mulheres abandonadas das zonas rurais, pertencentes à sua Diocese. João Batista nos ensina que a reconciliação é o caminho da construção da cidadania universal. A migração é um convite para a globalização da solidariedade.

Foi conhecido como o “Bispo das mãos furadas” pois tudo o que recebia passava adiante aos mais necessitados.

Na lógica da Palavra de Deus, o migrante nos recorda que estamos de passagem, buscando “uma pátria que não é terrena”  e ao mesmo tempo nos ensina que para o deserdado, “a pátria é a terra que lhe garante o pão”. Pois a “fome é má conselheira”. Diante da situação onde mais de um milhão migraram, ele se perguntava “Por que tanta gente emigra?” A emigração não é um prazer, mas uma necessidade inevitável.

Nos últimos anos de sua vida, em 1901, visitou os migrantes dos EUA e do Brasil, passando por São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e as colônias italianas do Rio Grande do Sul e aproveitou a ocasião para visitar o irmão que havia migrado para Argentina, que não se viam há 36 anos. Voltou satisfeito da viagem pela América e veio a falecer pouco tempo depois, em 1º  de junho de 1905.

João Batista Scalabrini foi  Beatificado em 09 de novembro de 1997, pelo Papa João Paulo II.