PGM #225: Entrevista com Adelaide Maria Klein



Bloco 1:

Bloco 2:

Temas da Semana:

Nesta semana ocorreram muitos fatos e acontecimentos ao nível nacional que até fica difícil selecionar dois ou três para comentar. Vamos aos destaques: A onda de perseguição e criminalização das Universidades Federais exacerbou-se nos últimos dias. São ações de busca e apreensão, conduções coercitivas, prisões e muito mais contra Reitores e outros altos funcionários das universidade Públicas Nacionais. Um onda de arbítrio se instalando no País. O outro tema recorrente é sobre a deforma da Previdência que tramita no Congresso e que o Governo Temer não tem os votos necessários para a aprovação. Que se for concretizada gerará um crise de proporções inimagináveis na base da sociedade brasileira, aumentado a pobreza, a fome e as doenças do povo. Um dos argumentos furados em favor de tal reforma diz que há um déficit no caixa da Previdência, coisa que não é verdade. Mas se fosse verdade, nesta semana surgiram notícias bem fundamentadas de que se a Previdência cobrasse os grandes devedores arrecadava três vezes mais do que o legado déficit. E não daria muito trabalho para tal, pois são algumas dezenas de grandes banqueiros e empresários os devedores contumazes da Previdência. Por isso três representantes do Movimento dos Pequenos Agricultores MPA entraram em “Greve de Fome” lá em Brasília em sinal de protesto contra a reforma da Previdência. Frei sérgio, Jôse e Leila dizem que estão passando fome por uns dias para que a População mais pobre do Brasil não venha a passar fome por anos.

Aqui nos Pampas as chuvas de primavera têm trazido muitos prejuízos à população mais vulnerável da sociedade, especialmente nas periferias urbanas.

Entrevista de hoje:

Na entrevista de hoje vamos conversar com Adelaide Maria Klein 55 anos, divorciada, mãe de 05 filhos e avó de 08 netos. Ela é natural de Selbach, RS, mas migrou muito cedo com a família para Tupanciretã, também aqui no RS, onde casou e teve seus filhos. Ela tem o Ensino Médio e trabalhou a maior parte de sua vida no Serviço Público. Na conversa de hoje ela nos fala de sua vida, suas mudanças tanto de região quanto de situação familiar, dos desafios de ser coerente com seus princípios e de conciliar cuidado da família, vida de comunidade e militância política.

Músicas: Canção do Estado do Paraná para acolher as CEBs do Brasil por ocasião do 14º Intereclesial em janeiro próximo.