Superar as desigualdades

31 de outubro de 2017

A desigualdade é o grande dragão que devora o Povo Brasileiro. É o câncer que destrói as células do tecido social da Nação. A desigualdade é o maior e o pior problema da sociedade brasileira. É a desigualdade entre os brasileiros que impede que o Brasil seja uma grande Nação, livre e soberana.

Qualquer esforço para fazer do Brasil uma sociedade digna e feliz, passa pela superação da desigualdade social.

Alguns dados da desigualdade no Brasil:

No Brasil vivem 8 milhões de famílias agricultoras. Porém, apenas 80 mil grandes latifundiários com mais de 1.000 hectares cada um, são donos da metade das terras agricultáveis do Brasil. Esta á uma das raízes da desigualdade.

No Brasil, apenas 6 (SEIS)  famílias têm a mesma riqueza que 100 milhões de brasileiros juntos.  

A desigualdade no Brasil é visível em muitas contradições:

“ Poucos tem demais do que falta a muitos”. “Muitos na pobreza e na miséria porque poucos tem demais.” “ Brasil: país rico, povo pobre.”

O nome disto é injustiça social. É exploração do trabalho. Não é porque os ricos trabalham mais. Não é porque Deus quer. É produto de um tipo de sociedade que concentra renda nas mãos de alguns e exclui as maiorias.

É preciso quebrar a espinha deste dragão para que o Brasil seja o que pode ser: uma grande Nação, justa, humana e com seu povo vivendo bem e feliz.

Porém, a cada esforço para superar esta chaga de machuca os brasileiros, a elite dominante faz de tudo para impedir que isto aconteça.

 

“A desigualdade tem duas filhas legítimas: a violência e a corrupção.”

 

Nos últimos tempos criou-se a ideia de que a corrupção é o maior problema brasileiro. É grande e tem que ser combatido. Mas não é o principal. Serve mais de fumaça para que não se enxergue o principal. A própria corrupção tem sido usada como um meio de manter a desigualdade. Os ricos compram políticos, que compram os votos do povo para manter no Brasil os privilégios dos ricos.  

Com mais igualdade social, a democracia se fortalece, o povo terá mais autonomia para decidir, aumenta o controle social, diminui a compra de votos, reduz muito a corrupção.

A luta contra as desigualdades sociais é a luta das lutas para transformar o Brasil.

A luta contra as desigualdades não é para eliminar as diferenças que temos entre nós. Somos diferentes, mas não desiguais. Igualdade e diversidade, igualdade e liberdade, deve andar sempre juntas, de mãos dadas. O que não se pode é usar a diversidade, seja de etnia, sexo, cor, ou qualquer outra, para justificar a desigualdade social.

Como pessoas humanas, somos todos iguais. Mas a sociedade brasileira, ao longo da história, formou uma sociedade desigual, com uma classe dominante e rica, insensível e tirana, dominada por interesses estrangeiros, que explora os pobres, impede qualquer esforço que leve a vida digna, justa e plena para o conjunto do povo.

A desigualdade se expressa de várias formas e não apenas no aspecto econômico.

No tratamento: há desprezo pelos mais humildes e trabalhadores. No acesso aos bens: há uma diferença brutal no consumo dos ricos e dos trabalhadores, tipo de roupa, bebidas, carros, etc. Os ricos esbanjam. Aos pobres falta o básico para viver.

No local de moradia: os ricos moram em bairros nobres, com infraestrutura, segurança, etc. Os pobres moram nos locais mais distantes, com problemas de água, transporte, segurança. No tipo de casa também, a desigualdade é visível. Ricos moram em mansões, com piscinas, hidromassagem e outros tantos luxos. Os pobres, nas periferias, moram do jeito que podem.

Na distribuição da terra: os ricos são donos dos maiores latifúndios, nas melhores terras. Os camponeses tem pouca terra, assim mesmo produzem a maior parte dos alimentos.

No acesso à saúde: rico escolhe médico, escolhe hospital, tem o melhor tratamento. Pobre pena nas filas. 

No acesso à educação: a educação de qualidade para os poucos ricos.

A luta por igualdade é também luta por respeito, dignidade e valorização.

A história remota e recente do Brasil tem demonstrado que só há um caminho para construir um Brasil de Iguais: lutas populares em todos os espaços.

– Por Reforma Agrária e condições de vida e produção aos pequenos agricultores;

– Por emprego, trabalho, salário justo e distribuição de renda;

– Por saúde e educação para todos de forma igual;

– Por acesso à moradia digna para todos;

– Por imposto sobre grandes fortunas e tributação justa – ganha mais, paga mais;

– Por um sistema previdenciário justo e sem privilegiados.

No combate à desigualdade está, também, a chave para a superação da crise que hoje assola o Brasil.


Autor
Frei Sérgio Görgen